Prêmio Experiências Exitosas de Cooperativas Sociais que promovem a Inclusão Social pelo Trabalho – Campinas

02/10/2012

Projeto: Construção do Programa Municipal de Apoio e Fomento ao Cooperativismo Social em parceria com o Banco Popular da Mulher – Secretaria Municipal de Trabalho e Renda – Prefeitura Municipal de Campinas

EDITAL DE DIVULGAÇÃO Nº. 1, DE 28 de Setembro de 2012

Prêmio Experiências Exitosas de Cooperativas Sociais que promovem a Inclusão Social pelo Trabalho – Campinas

Convida os grupos e ou empreendimentos de Geração de Trabalho e Renda de Campinas a apresentarem suas propostas, durante o período de 01 a 12 de outubro de 2012, de acordo com as normas estabelecidas neste edital.

1 – DO PREÂMBULO

1.1 – A Associação Cornélia Vlieg, em Parceria com o Banco Popular da Mulher e a Secretaria Municipal de Trabalho e Renda, vem por meio desse, tornar público o Edital que irá Premiar Experiências Exitosas de Cooperativas Sociais que promovem a Inclusão Social pelo Trabalho.

1.2 – Para esse Edital podem se inscrever os Projetos, Oficinas e Empreendimentos e/ou organizações não governamentais sem fins lucrativos, legalmente constituídas, que promovem a Inclusão Social pelo Trabalho, para os segmentos sociais do Cooperativismo Social, descritos na LEI No 9.867, DE 10 DE NOVEMBRO DE 1999.

1.3 – Cooperativismo Social é o segmento do Cooperativismo que busca através da geração de trabalho e renda, promover a Inclusão Social de pessoas em situação de desvantagem, na Lei:

I – os deficientes físicos e sensoriais;

II – os deficientes psíquicos e mentais, as pessoas dependentes de acompanhamento psiquiátrico permanente, e os egressos de hospitais psiquiátricos;

III – os dependentes químicos;

IV – os egressos de prisões;

V – os condenados a penas alternativas à detenção;

VI – os adolescentes em idade adequada ao trabalho e situação familiar difícil do ponto de vista econômico, social ou afetivo.

2 – DO OBJETO

2.1 – O presente Edital visa premiar Oficinas, Projetos e Empreendimentos que Promovem a Inclusão Social pelo Trabalho, que tenham mais de 1 (ano) de existência real.

2.1.1 – Os prêmios serão oferecidos às Oficinas, Projetos e Empreendimentos devidamente inscritos no Edital do Prêmio até o total de R$ 37.000,00.

2.1.2 – Os prêmios serão distribuídos de acordo com a pontuação do projeto, no valor mínimo de R$ 1.000,00 e no máximo a R$ 12.000,00; conforme segue abaixo:

1º prêmio R$ 12.000,00

2º prêmio R$ 8.000,00

3º prêmio R$  4.000,00

4º premio R$  3.000,00

5º prêmio R$  2.000,00

6º ao 13º prêmio R$ 1.000,00

3 – DOS RECURSOS PREVISTOS

3.1 – A presente ação conta com os recursos oriundos da Ação Civil Pública nº 411/2002. e da Parceria da Associação Cornélia Vlieg com o Banco Popular da Mulher e a Secretaria Municipal de Trabalho e Renda.

3.2 – O Valor global deste edital é de R$ 37.000,00.(trinta e sete mil reais)

3.3 – Na hipótese de novas dotações orçamentárias, dentro do período de vigência deste Edital, a Associação Cornélia Vlieg poderá conceder novos prêmios de acordo com a ordem de classificação.

5 – DAS CONDIÇÕES PARA PARTICIPAÇÃO

5.1 – As Oficinas, Projetos e Empreendimentos que promovem a Inclusão Social pelo Trabalho devem:

a) Ter um ano de existência real;

b) Ter 60% de pessoas em desvantagem como consta na LEI No 9.867, DE 10 DE NOVEMBRO DE 1999;

c) Estar localizado no município de Campinas.

6 – Critérios de Avaliação para Seleção do Prêmio:

a) Objetividade no relato da Experiência Exitosa (3 pontos);

b) Objetividade  nos resultados que a ação planejada vai produzir (3 pontos)

c) Objetividade nas ações previstas com o prêmio. (3 pontos)

d) Número de Pessoas atendidas (2 pontos)

e) Possibilidade de ampliação de renda e/ou de pessoas beneficiadas a partir do investimento do Prêmio (3 pontos);

f) Participação em Redes, Fóruns e/ou Movimentos da sociedade civil que promovam Direitos Sociais, em especial, os de Economia Solidária e Cooperativismo (2 pontos).

6.1 – A lista de premiados e a lista de classificados deverão conter:

a) nome do projeto e do proponente;

c) nota obtida na avaliação;

d) valor do prêmio a cada projeto;

e) providências a serem tomadas pelos selecionados, caso se aplique;

f) nome dos membros da Comissão de Seleção.

6.2 – A Associação Cornélia Vlieg publicará na sua pagina eletrônica  (www.armazemoficinas.com.br)  e na do banco Popular da Mulher (www.bpm.org.br) a relação dos proponentes premiados.

6.3 – Caberá pedido de reconsideração à Comissão de Avaliação e Seleção do Prêmio Experiências Exitosas de Cooperativas Sociais que promovem a Inclusão Social pelo Trabalho, quando poderá ser solicitada reavaliação do projeto, com apresentação de justificativa, no prazo de 03 (três) dias úteis, a contar do dia subseqüente à data de publicação na Página da Associação Cornélia Vlieg o resultado do julgamento, o qual será apreciado pela totalidade dos seus membros.

6.4 – A Comissão de Avaliação e Seleção designará, entre seus membros, aqueles que farão o julgamento dos pedidos de reconsideração e, caso sejam procedentes, a reavaliação.

7 – DO PRAZO E CONDIÇÕES PARA INSCRIÇÃO

7.1 – As inscrições serão gratuitas e estarão abertas no período de 02 de Outubro a 12 de Outubro de 2012.

7.2 – As inscrições deverão ser realizada através do site: http://www.armazemoficinas.com.br através do  link abaixo

Clique Aqui

7.4 – As inscrições serão aceitas exclusivamente via o preenchimento do Formulário Eletrônico, sendo a data de inscrição eletrônica considerada para o efeito de verificação do prazo previsto no subitem 7.1.

7.5 – Serão desconsideradas as inscrições realizadas fora do prazo previsto no presente Edital ou que sejam recebidas em outras formas.

8 – DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

8.1 – A Comissão de Avaliação e Seleção do Prêmio Experiências Exitosas de Cooperativas Sociais que promovem a Inclusão Social pelo Trabalho será composta por:

a) 1 (um) representante do Banco Popular da Mulher;

b) 1 (um) representante da área da saúde mental do município de Campinas;

c) 1 (um) representante da Secretaria Municipal de Trabalho e Renda;

8.1.1 – A Comissão a que se refere o subitem anterior será designada por instrumento específico, com a indicação de 1 (um) suplente para cada membro para o caso de impedimento ou suspeição dos titulares.

8.1.2 – Os membros da Comissão de Avaliação e Seleção do Prêmio Experiências Exitosas de Cooperativas Sociais que promovem a Inclusão Social pelo Trabalho não poderão ter vínculo com as iniciativas que estiverem em processo de seleção.

8.1.3 – Os membros da Comissão de Avaliação e Seleção e respectivos suplentes ficam impedidos de participar da apreciação de projetos que estiverem em processo de avaliação e seleção nos quais:

a) tenham interesse direto ou indireto na matéria;

b) tenham participado como colaborador na elaboração do projeto ou tenham participado da instituição proponente nos últimos dois anos, ou se tais situações ocorrem quanto ao cônjuge, companheiro ou parente e afins até o terceiro grau; e

c) estejam litigando judicial ou administrativamente com o proponente ou respectivo cônjuge ou companheiro.

8.1.4 – O membro da Comissão de Avaliação e Seleção que incorrer em impedimento deve comunicar o fato ao referido colegiado, abstendo-se de atuar, sob pena de nulidade dos atos que praticar.

8.2 – Os trabalhos da Comissão de Avaliação e Seleção serão registrados em ata, a qual será assinada por todos os membros presentes.

CAMPINAS, 01  DE OUTUBRO  DE 2012


Intersetorialidade em favor do Cooperativismo Social

16/05/2012

Encontro no Cândido Ferreira marca parceria entre Oficinas de Trabalho e as secretarias municipais de Saúde, Assistência e Trabalho

Um encontro inédito, realizado hoje pela manhã no Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira, marcou o início de uma parceria intersetorial para ampliar os projetos de Economia Solidária e Geração de Renda da Rede de Saúde Mental de Campinas. Estiveram presentes no evento representantes das secretarias municipais de Cidadania, Assistência e Inclusão Social; Trabalho e Renda; e Saúde, do Banco Popular da Mulher, do Fórum GeraRenda, do Centro de Referência em Cooperativismo e Associativismo (CRCA), da Coordenação de Saúde Mental, além de participantes e coordenadores de diversos projetos de inclusão social e cooperativas de trabalho.

O evento marcou o primeiro encontro entre os diversos setores para tratar das oficinas de trabalho e ecosol na Saúde Mental. Nos diversos depoimentos, foi valorizada a construção de uma rede que possa ampliar e fortalecer os projetos desenvolvidos. Como resultado final, representantes das secretarias municipais e dos projetos envolvidos marcaram uma nova reunião para a próxima semana, em que irão definir as bases sobre as quais se desenvolverá essa parceria. Segundo o secretário de Cidadania, Assistência e Inclusão Social de Campinas, Prof. Dimas Alcides Gonçalves, a nova reunião servirá para alinhar os pontos entre os diversos setores representados no encontro.

Na abertura do evento, o superintendente do Cândido Ferreira, Dr. Nobusou Oki, ressaltou o caráter histórico do encontro pela presença de representantes de diferentes setores da sociedade. Já a presidente da Associação Cornélia Vlieg, Maria José Comparini Nogueira de Sá, comentou sobre a importância de se promover o trabalho através de uma Rede Intersetorial, com a participação de todos os presentes no encontro. Após as apresentações dos diversos participantes, a coordenadora do Núcleo de Oficinas de Trabalho (NOT), Cleusa Ogera Cayres, apresentou um vídeo sobre as oficinas realizadas através da parceria entre Cândido Ferreira e a Associação Cornélia Vlieg.

A coordenadora da Saúde Mental da Secretaria Municipal de Saúde de Campinas, Carla Machado, afirmou que o principal desafio do encontro é construir uma rede para fortalecer os projetos de Geração de Renda e Economia Solidária da Saúde Mental, que mostram um grande potencial de crescimento.

O diretor da Secretaria de Trabalho e Renda, Flávio Sartori, afirmou que este é o início de um diálogo que resultará em uma parceria entre as secretarias municipais e as oficinas de trabalho na Saúde Mental e que, para isso acontecer, é preciso estabelecer metodologias de trabalho em conjunto.

O Prof. Dimas Alcides Gonçalves considerou a questão das drogas na cidade, garantindo que a posição da prefeitura é considerá-la como um problema da Saúde e da Assistência Social e não da Segurança Pública. Dizendo NÃO a Internação Compulsória. O secretário ainda afirmou que, nesse contexto, os projetos de Geração de Renda e Economia Solidária são fundamentais na política municipal.

O secretário parlamentar e membro da Rede Estadual de Saúde Mental e ECOSOL e do Fórum Paulista de Economia Solidária, Leonardo Pinho, articulador do encontro, resumiu os principais aspectos conversados no encontro: a urgência de se promover a parceria, de se construir o Programa Municipal de Apoio ao Cooperativismo Social (PROMACOOP – Social), a importância de trabalhar com os projetos de trabalho e renda que já existem e de o trabalho ser realizado através de um pacto intersetorial, coordenando a ação das diversas secretarias e dos projetos envolvidos.

O Cândido Ferreira conta atualmente com 15 oficinas de Inclusão Social pelo Trabalho, pautados na ECOSOL, que atuam na área de vitral artesanal, vitral plano, velas, mosaico, construção civil e ladrilho hidráulico, parceria, papel reciclado, gráfica, marcenaria, culinária e eventos, nutrição, serralheria, pintura, parceria e agrícola. Estas oficinas atendem um público aproximado de 300 pessoas, e existe uma fila de espera para abertura de novas vagas. O Fórum GeraRenda que representa as 33 oficinas e projetos de trabalho atualmente conta 450 pessoas.

Conheça o Fórum GeraRenda: www.forumgerarenda.wordpress.com


Cooperativismo Social, Artesanato e Inclusão Social será debatida no Seminário do Artesão – SUTACO

24/02/2012

No dia 16 de março no Seminário do Artesão realizado pela SUTACO, as 10h15, Leonardo Pinho, membro do Fórum Paulista de Economia Solidária e assessor técnico da Rede de Saúde Mental e Economia Solidária irá debater no Painel II: Artesanato, Artesão e Relacionamento.

Em sua apresentação o Cooperativismo Social, a Economia Solidária e a Inclusão Social promovidos pela Rede de Saúde Mental e ECOSOL, o Fórum GeraRenda e o Fórum Paulista de ECOSOL serão debatidos em sua relação com o segmento econômico do Artesanato. Apontando que o Artesanato Paulista além de sua qualidade, diversidade é indultor de fluxos econômicos diferenciados que promovem a Inclusão Social pelo Trabalho e o surgimento de empreendimentos econômicos solidários.

Participe do Seminário do Artesão

Em comemoração ao Dia do Artesão, a SUTACO preparou um Seminário com palestras e oficinas relacionadas aos serviços prestados pela Sutaco e seus parceiros. Uma oportunidade para discutir e conhecer mais sobre o Artesanato Paulista, Economia Solidária e novas formas de comercialização.

Data: 16/03/2012

Horário: das 8h30 às 18h

Local: Rua Boa Vista, 170 – Mezanino – Centro – São Paulo – SP

Próximo à estação São Bento do Metrô – SP

Programação do Evento

 Inscreva-se agora! (clique aqui)


Discussão sobre o Cooperativismo Social na Região Penha/Ermelino Matarazzo

14/02/2012

No dia 14 de fevereiro de 2012 na sede da SAS/SECONCI na Vila Matilde ocorreu uma roda de conversa sobre os desafios da relação entre saúde mental e economia solidária.

Estiveram presentes a coordenadora de saúde mental da SAS/SECONCI, as gerentes do CAPS I, CAPS Adulto Vila Matilde e trabalhadoras do CAPS Adulto Ermelino Matarazzo, todos das regiões administrativas Penha-Ermelino Matarazzo.

A roda de conversa começou com a descrição das oficinas que já ocorrem, como de artesanato, bijoterias, produtos de limpeza, que envolvem usuários, famialiares e técnicos. Bem como, as discussões que vem ocorrendo acerca da inserção no trabalho e ecosol.

Durante a Roda de Conversa, Leonardo Pinho, apresentou os conceitos da economia solidária, destacando que para ser projeto/empreendimento da ECOSOL é fundamental ter claro que o objetivo comum tenha viés econômico (geração de renda) e que tenha autogestão (onde os trabalhadores, oficineiros) participem de todo o projeto e de seu processo produtivo.

Foi discutido também os desafios: Como a regulamentação da Lei de Cooperativismo Social; A aprovação do PRONACOOP Social (Programa Nacional de Apoio ao Cooperativismo Social), criação de um Programa específico de financiamento dos projetos de trabalho da saúde mental e a não perda de beneficio dos usuários que participem de empreendimentos de ECOSOL.

No final ficou o convite para os projetos participarem das reuniões da Rede de Saúde Mental e ECOSOL, todos as terceiras quintas as 9h no CRP-SP. Bem como, das Feiras de Saúde Mental e ECOSOL, na Av. Paulista.

Agenda de Feiras:

19/05 – Semana da Luta Antimanicomial (18 de Maio)

04/08 – referência ao Dia Nacional de Saúde (05 de agosto)

06/10 – referência ao Dia Mundial da Saúde Mental (10 de outubro)


Jornal Especial da UNISOL Brasil dá destaque ao Cooperativismo Social

13/12/2011

No Jornal Especial de Fim de Ano UNISOL Brasil destaca o Cooperativismo Social (a única Central que valoriza e tem um Setorial especifico para o apoio ao nosso Setor) – http://www.unisolbrasil.org.br/

A UNISOL Brasil está quase encerrando o ano e para presentear os leitores do jornal reuniu as notícias mais importantes do mundo da Economia Solidária durante o segundo semestre de 2011 e dedicou uma linda mensagem de Natal a todos os parceiros e empreendimentos. A versão impressa do periódico pode ser acessada Clicando Aqui.

Reunimos nessa edição as seguintes matérias: Coopasub inaugura complexo em Vitória da Conquista-BA; BNDES aprova financiamento para Copromem e Metalcoop; Arildo Mota Lopes é eleito presidente da Cicopa Américas; Site da UNISOL Brasil aumenta em 75% o número de acessos; Cocajupi começa a exportar para a Itália com certificação Fair Trade; UNISOL Brasil conhece experiências do complexo Mondragón; Representantes da UNISOL Brasil e Uniforja visitam a Coopertrim; Produtos do Cooperativismo Social tem espaço garantido em Campinas; Assentamento no MS terá Centro de Inclusão Digital; Galpão de Coleta Seletiva é inaugurado em Ribeirão Pires.


Oficina sobre o Marco Legal da ECOSOL, em Mauá

12/12/2011

O Dia Nacional de Economia Solidária será comemorado em diversos pontos do País, sendo que um destes encontros será realizado em Mauá, no ABC Paulista, com o Fórum de Economia Solidária, no dia 15 de dezembro. Uma das atividades a ser realizada é a oficina sobre Marco Legal, que discutirá a situação do PL das Cooperativas de Trabalho, da proposta de Lei Geral de ECOSOL, Ato Cooperativo no Mercosul e sobre a necessidade de se regulamentar a Lei de Cooperativismo Social e a proposta do PRONACOOP Social (Programa Nacional de Apoio ao Cooperativismo Social).

Quer conhecer a proposta do PRONACOOP Social (clique aqui)

O Fórum Mauá de Economia Solidária é um espaço de articulação, mobilização e debate do movimento de economia popular e solidária composto por empreendimentos, entidades de fomento e gestores públicos. Sua finalidade é mobilizar e incentivar a organização dos trabalhadores e fortalecer os empreendimentos.

Confira a programação:

Local: Praça da Paineira (Centro de Mauá)

Das 10:00 as 17:00 horas – Feira de Artesanato

Das 09:00 as 11:00 horas – Oficina Marco Legal da Economia Solidária, com o Secretário Parlamentar da Câmara Federal dos Deputados – Leonardo Pinho

Das 12:00 as 14:30 horas – Apresentação de Capoeira, Dança e Musica

Das 15:00 as 16:00 horas – Culto Ecumênico

Organização: Fórum de Economia Solidária de Mauá


Fotos de Mario Moro – Reunião com o Prof. Paul Singer

04/10/2011

Durante a Primavera da Saúde a Rede de Saúde Mental e Economia Solidária organizou uma reunião com o Prof. Paul Singer para discutir o apoio a nossa VI Feira de Saúde Mental e ECOSOL e a Cooperativa Social 18 de Maio.

Encaminhamentos da Reunião com o Prof. Paul Singer

 

Veja as Fotos de Mario Moro da Reunião com o Prof. Paul Singer (clique aqui)