Inauguração do CAPS II Taboão da Serra

31/05/2012

Mesmo, antes da Inauguração do CAPS Taboão da Serra a equipe já trabalhava no planejamento, na formação de seus trabalhadoras (es) e participavam de nossa Rede Estadual de Saúde Mental e ECOSOL.

Mais uma conquista na ampliação da Rede de Atenção Psicossocial!!


FOTOS da Feira Solidária das Mães na Paulista

27/05/2012

Dança Cigana sempre Presente!!!

A Feira Solidária das Mães na Paulista, foi um sucesso. Nossas mais de 60 barracas a cada Feira ficam melhores, com produtos com mais qualidade e com maior participação dos usuários. Tivemos presenças de Secretários Municipais, Estaduais, representação da SUTACO e até do Governador. Além, de representantes do Ministério da Saúde, da Pós Graduação da Escola de Enfermagem USP, de diversas Coordenações Municipais de Saúde Mental e representantes de nossos parceiros: Conselho Regional de Psicologia, UNISOL Brasil, Prof. Giba do Cursinho da POLI, Sandra Campos da FETRACESP, Frente Estadual Antimanicomial, ABRASME, RENILA, Fórum Popular de Saúde Mental do ABCDR e Fórum da Luta Antimanicomial.

As mais de 100 Fotos de nossa Feira foi tirada e selecionada pelo Empreendimento Econômico Solidário Mentes Estúdio. Em breve, saíra o DVD!!! Fiquem atentos!!

Veja as +++ de 100 Fotos da Feira Solidária das Mães na Paulista (clique aqui)


Feira de Trocas Solidárias Santo Amaro, nesse sábado

24/05/2012

Venha participar da Feira de Trocas Solidárias de Santo Amaro, dia 26 de maio, sábado, 10h a 14h, além de contribuir para a construção de uma sociedade mais inclusiva você também irá desfrutar de momentos de muita alegria.

Local: CECCO Sto Amaro Av. Pde Jose Maria, 555 ( ao lado do terminal Santo Amaro) telefone: 5521-5538


Relato Encontro entre as Cooperativas Brasil – Itália

23/05/2012

No dia 22 de maio, na sede da OCESP-SP (Organização das Cooperativas do Estado de São Paulo), houve um Encontro entre as Cooperativas Brasil – Itália. Com representantes de diversos segmentos cooperativos italianos e brasileiros.

A mesa de abertura foi composta por:

Aliança Internacional das Cooperativas

LEGACOOP – Itália

OCESP – OCB

UNISOL Brasil

Foi apresentado as experiências de organização das Cooperativas no Brasil, a OCESP-OCB e a Central de Cooperativas e Empreendimentos Solidários UNISOL Brasil.

Logo, após o representante da LEGACOOP, Giorgio Bertinelli, apresentou os dados do Cooperativismo Italiano e a perspectiva atual de unificação das três centrais de cooperativas italianas, na criação da Aliança das Cooperativas Italianas. Leiam a apresentação de Giorgio sobre o Cooperativismo Italiano: Apresentação Legacoop (clique aqui).

Durante o Encontro estabelecemos contato com uma Rede de Acolhimento Turistico de Empreendedores Sociais, composto por cooperativas sociais italianas, chamada Le Matwww.lemat.itwww.viaggiatorisociali.net

Dados Apresentados sobre a Legacoop Sociali (Cooperativas Sociais) que representam as cooperativas que promovem a Inclusão Social pelo Trabalho de egressos do sistema prisional, de pessoas acometidas por transtorno mental, uso abusivo de alcool e drogas, imigrantes, jovens em risco social):

Dados 2010/2011:

Atualmente existem na Itália filiadas a Legacoop Sociali 2274 cooperativas sociais com 99.490 membros, que promovem a Inclusão Social pelo Trabalho.

Importante vermos a importância econômica desse setor na Itália, que evidencia, que Dá Para Fazer, basta em nosso País, ter prioridade nas políticas públicas em apoiar o Cooperativismo Social e processo de Inclusão Social pelo Trabalho.


Ata da Reunião da Rede Estadual de Saúde Mental e ECOSOL, 17 de Maio

20/05/2012

Ata Reunião da Rede de Saúde Mental e ECOSOL

17 de maio de 2012

Presentes:Cecco Bacuri, Projeto Papelão, Cecco Ibirapuera, Caps Lapa, CAPS Casa Verde, Instituto A Casa, Estudantes Psico PUC-SP, Rede Prosol, Retalho VIVO, Cecco Santo Amaro, Caps Sapopemba, Cecco Raul Seixas, Caps Perdizes, Mentes Estúdio, Associação ANIMA, Projeto Gera Renda, Dasdoida, CAPS Itapeva, CAPS AD Santana, Nutrarte – SBC, Associação Loucos pela Vida – Mogi das Cruzes, NOT – Cândido Ferreira, Associação Cornelia Vlieg, Fórum GeraRenda – Campinas, Cecco Móoca, CAISM Agua Funda, Tendarte – Osasco, CAPS Itapevi, NUPE – Santo André, CAPS Mandaqui, NAPS II Santo André, CAPS AD Sé, CECCO Bacuri, Cecco Vila Prudente, CAEF – Pós Custódia, CAPS Taboão da Serra, CAPS M Boi Mirim, Aluna Ciências Sociais PUC-SP, CAPS Centro – Leste Diadema, Reciflora, Bela Horta – Diadema, Arteiros Aroma Brasil

1.   Encaminhamentos SUTACO;

2.   Encaminhamentos Cooperativa Social 18 de Maio;

3.   Balanço da Feira das Mães na Paulista, 12 de Maio.

Discussões e Encaminhamentos:

1.   SUTACO:

a)   Dia 21 de junho das 9h – 17h(confirmar local) cadastramento de artesão – carteirinha da SUTACO (maiores informações vão ser enviadas em email especifico desse assunto);

b)   Pré Avaliação dos produtos da REDE para Lojas SUTACO: Foi realizado durante a Feira por três técnicos da SUTACO;

c)   Lista de Oficinas já solicitadas. Será enviado por Leo Pinho até segunda para os serviços que solicitaram a lista de artesão e técnicas disponíveis. Os serviços tem até 25 de Maiopara retornar com a confirmação dos oficineiros que irão dar as oficinas e dias e horários das mesmas (quando entrar em contato com os oficineiros seguir a ordem na lista) – Também terá email especifico sobre o assunto com detalhamento de informações.

2.   Cooperativa Social 18 de Maio

a)   Os membros da Diretoria URGENTEMENTEtem que marcar uma data para irem aos mesmo cartório para abrir firma e tirar duas cópias do Estatuto e reconhecer as Firmas. Para dar prosseguimento no Registro. Membros da Diretoria: Carlos Santana, Lili Freitas, Marilia Capponi e Elaine Vasconcelos.

3.   Avaliação da Feira das Mães na Paulista, 12 de Maio

Rute e Elainefizeram a fala de abertura da avaliação (pela comissão) apontando as seguintes questões:

a)   Ainda houve em média de 50% das barracas que não sabiam dos 3%, mostrando que muitos ainda não acompanham regularmente as reuniões e encaminhamentos coletivos da REDE;

b)   Situação similar a taxa de limpeza;

c)   Por volta de 50% também não levaram a Planilha Impressa de Vendas dos Produtos;

d)   Da Comissão de Organização do dia das 6 barracas que se comprometeram, apenas 2 passaram nas barracas no período da manhã. No período da tarde 5;

e)   Temos de caixa atualmente na Rede R$ 455.

Avaliação COLETIVA:

Fórum GeraRenda – Campinas:Nosso Fórum representa 33 empreendimentos e 450 pessoas. Estivemos reunidos nessa semana e nossa avaliação foi muito positiva. Percebemos em cada Feira que a organização, a mobilização e visibilidade aumentam. A barraca de alimentação teve todos seus produtos vendidos até as 15h, superando todas as expectativas. As de artesanato tiveram vendas superiores a de Natal em 50%. Queriamos pontuar que não levamos a Planilha, pois todos os nossos e-mails cadastrados no EGROUP SAUDEECOSOL foram descadastrados e não recebemos mais os e-mails do GRUPO, inclusive solicitamos mais uma vez a INCLUSÃO, pois isso prejudica e muito nossa participação e comunicação na REDE;

Carlos (Presidente da Cooperativa Social 18 de Maio):Nossa Feira esta ganhando importância até o Governador foi, nós usuários nunca somos vistos, as coisas estão mudando. Também percebi uma variação de preço muito grande em produtos similares;

Tendarte – Osasco: Somos novo nessa REDE, mas militamos a muito tempo no movimento de ECOSOL. A Feira foi muito boa. Mas, queríamos salientar que seria importante a ORGANIZAÇÃO, tem uma camiseta, crachá, algo assim, de identificação e com o nome da pessoa. Para facilitar durante a Feira. Também, não podemos ver a Feira apenas como lugar de comercialização, mas sim, de divulgação de nossos valores e princípios. Cada um de nós, nas nossas barracas, precisamos ser multiplicadores;

Katia (Dasdoida):Levamos o nosso Jornal Lowcultura e divulgamos em toda a Feira. Nós ficamos muito felizes a Feira foi muito boa.

Nilce (Cecco Vila Pudente):temos projetos que estão crescendo muito, avaliamos que se puderem termos mais espaço na próxima Feira. Nossa avaliação é que a Feira foi muito boa e a visibilidade foi muito grande;

Ana Carolina (NUTRARTE – SBC):Fomos em 22 usuários e 8 técnicos ouve muita diversão, empoderamento dos usuários na comercialização e no atendimento. Avaliamos que durante a Feira deveríamos ter divulgação também durante (para explicar para os frequentadores, o que somos, nossas propostas). A reunião no começo da Feira para avaliar e decidir sobre a recepção ao governador foi muito boa e mostrou a organização coletiva da REDE. Os usuários gostaram muito da presença do governador (se acharam importantes) e também falaram diretamente a ele. Inclusive, eles apontaram a questão da ampliação de leitos no Hospital LACAN e que é melhor investir nas residências terapêuticas (que vem sendo ampliada em SBC – amanha inaugura mais uma);

Cintia (CAPS Sapopemba):Muito bom, muito interessante, só tivemos com problemas em relação ao horário de apresentação do Rogério, foi adiantado o horário;

Lucia (CAPS LAPA):Carinho Feito a Mão as vendas foram menores que a de Natal. Avaliamos que tivemos menos frequentadores de “fora”. Na medida que estamos em processo de crescimento, vamos tendo novos desafios, mas temos que aprofundar o espirito solidário. O local é publico logo não poderiamos barrar uma pessoa pública, mas faltou de nossa parte, um Carta Aberta onde apontássemos nossas propostas e reivindicações, da próxima vez temos que ter (como tínhamos em outras feiras). Além, dele tivemos Eduardo Jorge (Secretario Municipal do Verde e Meio ambiente) Soninha (SUTACO);

Rute (CECCO Santo Amaro):Tivemos muitos públicos, muitos “conhecidos” e também bastante de “fora”. Perguntando para as pessoas ouvi: “pensei que era uma Feira comum”. Isso é muito bom, pois mostra que nossos produtos estão “iguais ou melhores” das Feiras de Artesanato e de ECOSOL. Conquistas de nossa organização coletiva;

Gino (Pós Custódia):Precisamos fazer o Jornalzinho da REDE, para distribuir durante as Feiras. Fiz uma matéria e consegui colocar na página da Secretaria estadual de Administração penitenciaria. Coloquei usando em nosso favor a presença do governador;

Fabia (Itapevi):Vendemos mais de 50% da anterior. Muito positivo ter esse local na Av. paulista. Também destacamos o local para parar a perua, foi muito bom para nós. Precisamos fazer panfletagem, divulgar na frente do parque e em seu entorno. Os nossos usuários ficaram muito animados;

Isabel (Associação ANIMA):Tinhamos como ter mais produtos, se tivesse mais barracas, aumentaríamos as Feiras. Som: Precisamos mais estruturas e conseguir manter os horários combinados. Precisamos organizar as apresentações culturais antes. Discutimos em nosso GRUPO e avaliação unanime foi que a presença do Governador foi muito boa e só representa o reconhecimento e visibilidade que nossa Feira vem ganhando;

Vera (Assciação Loucos pela Vida – Mogi): Gostamos muito. Fomos em 10 usuários, que se divertiram muito. Muita gente perguntou sobre a próxima. Levamos nosso Folder, muita gente pediu, era legal fazer um geral da REDE. Foi muito importante fazermos a reunião antes (de manhã), antes do inicio, para discutir a presença do Governador. Tomamos uma decisão coletiva, que é assim, que fazemos na REDE. Para nós foi um reconhecimento a presença dele. Nossas vendas foram maiores nessa, em comparação com a de Natal;

Roberval (Mentes Estúdio):Gravamos todo o evento e vamos fazer o DVD da Feira das Mães. Vamos dar enfoque as apresentações culturais e os quadros;

Rosana (CAISM Agua Funda):Sobre a presença do Governador um militante e servidos nosso, foi quem, do lado de fora criticou e saiu atrás dele. Ele salientou a todos que fez isso, fora do evento, para preservar o mesmo;

Arteiros:Foi muito boa a nossa participação. Ficamos na dúvida e achamos que seria bom nas próximas pensar em ficarmos até mais tarde (muito potencial de venda);

CAPS Diadema:Foi muito boa, os usuários saíram muito animados e felizes. Teve muita interação com o público, durante as vendas. Foi muito importante para eles. Recebiamos muitas perguntas sobre nossa Horta Orgânica. Financeiramente vendemos mais que a de natal;

Maria Rosa (CAPS Mandaqui):Vendas foi equivalente a de Natal. Nas de alimentação todos uniformizados, mostrou organização. Teve muita participação dos usuários na venda e na interação com o público. Ficamos muito felizes com o resultado;

André (CAPS AD Sé):O horário final estávamos vendendo bastante, podíamos ampliar e muito se fossemos até mais tarde. O mesmo governador que tem fama em nossos usuários de repressão aos usuários de crack e outras drogas, foi o mesmo, que na Feira comeu um doce produzido por esses mesmos usuários. Muita ironia, usamos muito isso em nossa reflexão. Mas, eles gostaram muito, os usuários ficaram pensando muito na questão do Valor, não só monetário, que a Feira cria.

Juliana (Psico PUC):Acredito que nas próximas feiras devíamos explicar melhor, o que é a Feira, a Rede, as propostas e reivindicações. Através de banner´s, jornalzinho, folder… Precisamos salientar que não é só um espaço de comercialização, mas envolve outras questões. A presença do governador, se não for com ataques, deve ser boa para se apresentar propostas e reivindicações/idéias.

Leo Pinho (assessoria Rede):Queria pontuar algumas questões. A) A Feira ser na paulista, a ida do governador, de vários secretários, de pessoas reconhecidas na mental, coordenadores municipais etc tem uma representação simbólica importante. Mostra que estamos crescendo e ampliando horizontes. Alguns usuários apontaram para mim “Estamos ficando importantes”. B) Queria apontar que diferentemente de outras Feiras, dessa vez, não tivemos espaços coletivos (comissões) para falar na Praça, com o secretario do verde, reduzindo assim, a tradição de nossa REDE de tudo ser encaminhado coletivamente. Precisamos na próxima retomar essa questão. C) A presença do Governador tem que ser usada por nós, de forma a nos favorecer, de mostrar que até o Governador já veio em nossa Feira, isso só mostra nossa ampliação de visibilidade. D) Como foi falado por várias pessoas a reunião pela manha, antes de começar a feira, que tomou a decisão de recepcionar o governador e de fazer propostas de maneira propositiva, só mostra o fortalecimento da REDE e de sua forma de tomar decisão, em assembleias e reuniões, fortalecendo a AUTOGESTÃO.

Encaminhamentos:

a)   Na próxima reunião montar uma Comissão/Coordenação Permanente que possa assumir as tarefas de maneira mais coletiva (quem tiver propostas vá mandando por email, de como essa comissão/coordenação deve ser composta, suas funções etc);

b)   A respeito de divulgar a presença do Governador, Secretarios, deputados presentes salientar sempre o cargo institucional, valorizar mais isso, do que a pessoa em si;

c)   Vamos colocar no DVD a presença do Governador, mas com a citação de seu cargo, e principalmente consumindo algum produto nosso (alimentação e artesanato). Tipo: Até o Governador já veio em nossa Feira, já apreciou nossos produtos;

d)   Fazer Oficio para a Secretaria do Verde, SUTACO e Secretaria Estadual de Inclusão do Deficiente (que veio com o Governador) agradecendo a presença e solicitando reunião para encaminhar nossas propostas e reivindicações (nessa reunião vamos tirar comissão).

Participação Feita pelo O Bar BiBiTantã (que não esteve na reunião, mas mandou por email suas contribuições que seguem abaixo):

O Bar Bibitantã fez uma avaliação da VII Feira e queremos contribuir e gostaríamos que fosse incluia na ata:

1. estamos mais organizados, entretanto, sem o apoio do CRP é impossível sustentar a infra-estrutura da Feira

2. o trabalho inicial e o final de montagem e desmonte das barracas é pouco visível, embora fundamental, queremos ressaltar a organização e competência da equipe e agradecer ao CRP, e solicitamos que seja incluido entre os Ofícios de agradecimento, um para esta instituição ou representante

3. achamos fundamental o recolhimento dos 3% para o fundo da Rede, que deve ser sempre muito transparente, como tem sido

4. avaliamos que a agenda do governador abriu uma pauta a ser enfrentada pela gestão: o que eles vão fazer conosco? não somos “incapazes”, não fazemos “laborterapia”, não trocamos trabalho por cigarro, estamos organizados e temos clareza de onde viemos e para onde queremos ir: trabalho como direito, trabalho como possibilidade de emancipação e não alienação

5. é certo que se perguntarmos muita gente acredita que o trabalho é o melhor remédio, não há problemas nisso, mas o trabalho na Rede é muito mais que isso, falamos em cooperação, solidariedade, capacidade produtiva e auto-gestão

6. nós d’O Bar encaminhamos com uma proposta de debate da Rede com a gestão (estadual e municipal) sobre o tema: saúde mental e economia solidária cremos que temos muito a ensinar aos gestores e podemos produzir tensão e transformações nas políticas de saúde mental arcaicas e atrasadas de São Paulo, absolutamente dissociadas das diretrizes da Reforma Psiquiátrica do SUS.


Ministro da Saúde, no 18 de Maio se compromete com Tratamento em Liberdade e fala do Apoio aos Projetos de Trabalho e Renda

19/05/2012

Há onze anos, o Brasil instituiu por meio da Lei 10.216/01 a Reforma Psiquiátrica e desde então o Sistema Único de Saúde (SUS) impulsionou a construção de um modelo humanizado de atenção integral na rede pública de saúde, que mudou o foco da hospitalização como centro ou única possibilidade de tratamento aos pacientes.
Para comemorar esta conquista do SUS o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, fala sobre as ações do Ministério da Saúde.

Destacamos a fala do Ministro em apontar a Geração de Trabalho e Renda como instrumento fundamental da Reabilitação Psicossocial.

Veja o Vídeo (clique aqui)

 


Intersetorialidade em favor do Cooperativismo Social

16/05/2012

Encontro no Cândido Ferreira marca parceria entre Oficinas de Trabalho e as secretarias municipais de Saúde, Assistência e Trabalho

Um encontro inédito, realizado hoje pela manhã no Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira, marcou o início de uma parceria intersetorial para ampliar os projetos de Economia Solidária e Geração de Renda da Rede de Saúde Mental de Campinas. Estiveram presentes no evento representantes das secretarias municipais de Cidadania, Assistência e Inclusão Social; Trabalho e Renda; e Saúde, do Banco Popular da Mulher, do Fórum GeraRenda, do Centro de Referência em Cooperativismo e Associativismo (CRCA), da Coordenação de Saúde Mental, além de participantes e coordenadores de diversos projetos de inclusão social e cooperativas de trabalho.

O evento marcou o primeiro encontro entre os diversos setores para tratar das oficinas de trabalho e ecosol na Saúde Mental. Nos diversos depoimentos, foi valorizada a construção de uma rede que possa ampliar e fortalecer os projetos desenvolvidos. Como resultado final, representantes das secretarias municipais e dos projetos envolvidos marcaram uma nova reunião para a próxima semana, em que irão definir as bases sobre as quais se desenvolverá essa parceria. Segundo o secretário de Cidadania, Assistência e Inclusão Social de Campinas, Prof. Dimas Alcides Gonçalves, a nova reunião servirá para alinhar os pontos entre os diversos setores representados no encontro.

Na abertura do evento, o superintendente do Cândido Ferreira, Dr. Nobusou Oki, ressaltou o caráter histórico do encontro pela presença de representantes de diferentes setores da sociedade. Já a presidente da Associação Cornélia Vlieg, Maria José Comparini Nogueira de Sá, comentou sobre a importância de se promover o trabalho através de uma Rede Intersetorial, com a participação de todos os presentes no encontro. Após as apresentações dos diversos participantes, a coordenadora do Núcleo de Oficinas de Trabalho (NOT), Cleusa Ogera Cayres, apresentou um vídeo sobre as oficinas realizadas através da parceria entre Cândido Ferreira e a Associação Cornélia Vlieg.

A coordenadora da Saúde Mental da Secretaria Municipal de Saúde de Campinas, Carla Machado, afirmou que o principal desafio do encontro é construir uma rede para fortalecer os projetos de Geração de Renda e Economia Solidária da Saúde Mental, que mostram um grande potencial de crescimento.

O diretor da Secretaria de Trabalho e Renda, Flávio Sartori, afirmou que este é o início de um diálogo que resultará em uma parceria entre as secretarias municipais e as oficinas de trabalho na Saúde Mental e que, para isso acontecer, é preciso estabelecer metodologias de trabalho em conjunto.

O Prof. Dimas Alcides Gonçalves considerou a questão das drogas na cidade, garantindo que a posição da prefeitura é considerá-la como um problema da Saúde e da Assistência Social e não da Segurança Pública. Dizendo NÃO a Internação Compulsória. O secretário ainda afirmou que, nesse contexto, os projetos de Geração de Renda e Economia Solidária são fundamentais na política municipal.

O secretário parlamentar e membro da Rede Estadual de Saúde Mental e ECOSOL e do Fórum Paulista de Economia Solidária, Leonardo Pinho, articulador do encontro, resumiu os principais aspectos conversados no encontro: a urgência de se promover a parceria, de se construir o Programa Municipal de Apoio ao Cooperativismo Social (PROMACOOP – Social), a importância de trabalhar com os projetos de trabalho e renda que já existem e de o trabalho ser realizado através de um pacto intersetorial, coordenando a ação das diversas secretarias e dos projetos envolvidos.

O Cândido Ferreira conta atualmente com 15 oficinas de Inclusão Social pelo Trabalho, pautados na ECOSOL, que atuam na área de vitral artesanal, vitral plano, velas, mosaico, construção civil e ladrilho hidráulico, parceria, papel reciclado, gráfica, marcenaria, culinária e eventos, nutrição, serralheria, pintura, parceria e agrícola. Estas oficinas atendem um público aproximado de 300 pessoas, e existe uma fila de espera para abertura de novas vagas. O Fórum GeraRenda que representa as 33 oficinas e projetos de trabalho atualmente conta 450 pessoas.

Conheça o Fórum GeraRenda: www.forumgerarenda.wordpress.com