Encontro Regional de Saúde Mental e Direitos Humanos, 18 e 19 de Maio em Santos

09/05/2012

Convite em PDF – Encontro Regional de Saude Mental e DH

ENCONTRO REGIONAL DE SAÚDE MENTAL E DIREITOS HUMANOS

“Que a Saúde se difunda sobre a Terra” (Cf. Eclo. 38,8)

18 e 19 de maio de 2012

Dia 18 de maio (sexta-feira)

Local:

Unisantos – Campus Dom Idílio – Auditório 213. Av.

Conselheiro Nébias, 300 – Vila Mathias – Santos/SP

8h00 Credenciamento dos inscritos

8h30 Cerimônia de abertura com a apresentação da Comissão de Organização

9h00 às 11h00

Mesa-Redonda: O uso abusivo do crack é problema da pessoa que faz uso ou da sociedade?

Mediadora: Prof. Me. Marly Carvalho de Soares Santos – Coordenadora do Curso de Serviço Social da UNISANTOS.

Palestrantes:

Adriana M. Tucci – Prof. Dra. e Orientadora do Curso de Pós Graduação do Programa Interdisciplinar em Ciências da Saúde da UNIFESP – Baixada Santista; realizou pesquisas sobre Dependência de Álcool e outras Drogas

Elisa Zaneratto– Psicóloga, Prof. Me. e pesquisadora em Psicologia Social e Saúde Mental da PUC/SP; representante do CRP SP

Leonardo Pinho – Secretário Parlamentar da Câmara Federal dos Deputados; Membro da Rede Estadual de Saúde Mental e Economia Solidária e do Fórum Paulista de Economia Solidária

13h30 Credenciamento dos inscritos para as Oficinas

14h00 às 16h00

Oficinas de Criatividade em Saúde Mental:

•Oficina de Pintura – Sérgio Marques Jabur e Beatriz Castro

•Oficina de Música – Ramiz Candeloro Pedroso de Moraes

•Oficina de Expressão Corporal – Maíra de Souza e Agna Gonsalez

14h00 às 16h00

Rodas de conversa sobre políticas públicas regionais, com Aurélia Rios Piterskih e Henrique Valente        

19h00 Credenciamento dos inscritos

 20h00

Mesa-Redonda: Saúde Mental e Direitos Humanos

Mediador: José Ricardo Portela – Conselheiro do CRP SP e Coordenador da Subsede Baixada Santista e Vale do Ribeira

Palestrantes:

Aristeu Bertelli da Silva – Secretário Executivo do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CONDEPE) e membro da Comissão de Direitos Humanos do CRP SP

Roberto Tykanori Kinoshita – Coordenador da Área Técnica de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas do Ministério da Saúde

Mostra Paralela na UNISANTOS:

Apresentação de Banners enviados previamente para seleção. Inscrições até 16/05/2012 pelo e-mail: afrotelli@gmail.com

Dia 19 de maio (sábado)

Local: Liceu Santista

9h30: Encerramento do Encontro Regional de Saúde Mental e Direitos Humanos

10h00: Encenação da Peça “Auto da Barca do Inferno”

Elenco: Estudantes do Liceu Santista

Direção: Prof. Cláudia Heloísa Cunha Andria

Inscrições para as palestras no local.

Inscrições para as oficinas pelo site: http://www.crpsp.org.br

Informações: 3235-2324 ou baixada@crpsp.org.br

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO

Conselho Regional de Psicologia SP – Subsede

Baixada Santista e Vale do Ribeira

Centro de Direitos Humanos da Baixada

Santista Irmã Maria

Dolores

Diocese de Santos

Universidade Católica de Santos

Liceu Santista Pastoral da Saúde

Associação Franco Rotelli

Anúncios

Ta chegando é esse sábado!!! Vamos fazer uma Linda Feira de Natal Diferente na Paulista

08/12/2011

Nossa Feira de Natal Diferente na Paulista além de ter ótimos presentes terá também muita cultura e arte. Teremos exposição e venda de quadros e gravuras e muita diversão e alegria, com covers, teatro, dança e coral.

No dia 10 de dezembro venha passar uma tarde Alegre e com muita Diversidade no Coração de São Paulo. A partir das 11h na Paulista.

PROGRAMAÇÃO VI FEIRA
11 as 13e30 – DJ
13e30 horas – “As quatro velas de Natal” – teatro do CAPS III Mandaqui
13e45 h – Edson Luis da Silva – apresentação de Rap
14 às 15 h – DJ
15 h – Teatro do oprimido – Guarulhos
16 h – Fabrício Chiarinelli – apresentação Michael Jackson (2 músicas)
16e15 h – Maycon Pop – apresentação Michael  Jackson (1 música)
16e30 h – Cidadãos Cantantes
17 h – Dança Cigana
17e40 até o final – DJ
Seja um Multiplicador da Inclusão e da Economia Solidária. Divulgue nossa Feira!!! Mande para a sua lista de emails e coloque em suas Redes Sociais. Vamos mostrar a força dessa Nova Economia!!

Divulgação VI Feira FRENTE

Divulgação VI Feira –VERSO


Seja um Multiplicador!!! Envie você também a Carta a Presidenta DILMA!!!

24/11/2011

Você que acredita num Tratamento Sem Segregação e pelo Sistema Único de Saúde, envie você também a carta à presidenta Dilma e aos ministros e ministras da Saúde, Casa Civil, Justiça, Secretaria-Geral da Presidência da República. Também receberão a mensagem a Coordenação de Saúde Mental do Ministério da Saúde, o Conselho Nacional de Políticas Sobre Drogas e a Secretaria Nacional de Articulação Social.

O texto foi redigido pelo Conselho Federal de Psicologia e pela Rede Internúcleos de Luta Antimanicomial (Renila).

CLIQUE AQUI E COLOQUE SEU NOME E EMAIL

CARTA A PRESIDENTA DILMA


Carta à Presidenta Dilma – sobre a política de alcool e outras drogas

22/11/2011

 

Por uma Política de Álcool e Outras Drogas

Não Segregativa  e Pública

  A eleição de uma mulher presidenta da república, pela primeira vez na história, nos encheu de orgulho e foi festejado pelos brasileiros e brasileiras, em particular por todos os movimentos sociais, organizações populares e sindicais que lutam junto aos setores mais vulneráveis de nossa sociedade, pela ampliação dos direitos e de uma cidadania ativa. O compromisso definido como central para seu governo _ o combate e eliminação de uma das principais mazelas da sociedade brasileira, a pobreza e a miséria _ traduz, para nós, sua sensibilidade e filiação à Construção de um Novo Brasil, mais justo e solidário.

Esse compromisso assumido com o povo brasileiro é motivo de esperança e perspectivas de avanços no processo de inclusão social e de ampliação das conquistas cidadãs.

Nós, da RENILA – Rede Nacional Internúcleos de Luta Antimanicomial, presentes em todo o país, militamos pela construção de uma sociedade sem manicômios, projeto político que originou e inspira a Reforma Psiquiátrica brasileira, política pública que é referência para a Organização Mundial da Saúde. Apostamos que o atual governo iria avançar e aprofundar esse processo emancipatório, extinguindo os manicômios ainda existentes e em funcionamento e ampliando a rede substitutiva, contudo, estamos neste momento, seriamente preocupados com o futuro e os rumos da saúde mental brasileira.

Informações veiculadas com insistência pela imprensa sobre as possibilidades de tratamento para usuários de álcool e outras drogas  preocupa-nos, sobretudo, por seu caráter francamente contrário aos princípios que sustentam as políticas deste governo, a saber, a superação da exclusão social, condição historicamente imposta a uma parcela da sociedade brasileira. Como militantes sociais e de direitos humanos, queremos alertar para os riscos que se anunciam nestas propostas.

O primeiro e mais grave risco diz respeito ao modo como a questão é colocada: ameaça, que fundada na cultura do medo, produz pânico e autoriza a violência, além de solicitar respostas precipitadas e superficiais. A apresentação de soluções mágicas, de respostas totais e plenas de garantias é não apenas ilusório, mas, sobretudo falacioso. Preocupa-nos, de modo particular, a defesa da internação compulsória e das comunidades terapêuticas, dois modos de resolver a questão recorrendo à exclusão e a segregação. Tais soluções  opõem-se, radicalmente, aos princípios que sustentam o compromisso desse governo de trabalhar pela ampliação da cidadania e inclusão de todos. Portanto, não tem como dar certo!

Senhora Presidenta, se tais medidas forem implantadas produzirão, além de prejuízos políticos, danos à democracia brasileira. Uma das maiores referências e patrimônio da nossa sociedade, o SUS e várias de suas políticas, dentre estas, a Reforma Psiquiátrica, serão seriamente comprometidas, além de perderem o caráter público tão caro à saúde. Submeter a saúde a interesses privados, à lógica de mercado, é fazê-la retroceder ao ponto que inaugurou o SUS como direito; é impor a saúde à dimensão de objeto mercantil, gerador de lucro para alguns e dor para muitos. Submeter o Estado e as políticas públicas a crenças e confissões, fere um princípio constitucional e a dimensão laica do mesmo. Submeter os cidadãos e suas famílias que sofrem com uma dependência a um modo de proteção que anula direitos é legitimar a violência como resposta institucional, portanto, não é uma ação cidadã, nem tão pouco solidária; é violência e tortura admitidas como recurso de tratamento.

Senhora Presidenta, mantendo nossa confiança e aposta em seu compromisso público anunciado quando de sua posse, mas também em sua sensibilidade e capacidade para conduzir um projeto de nação que seja justo, solidário e cidadão, alertamos: não se pode admitir o sequestro de direitos como recurso de tratamento, não se pode admitir a redução de problemas complexos a soluções mágicas, não se pode admitir, acima de tudo, a banalização de valores democráticos em nome de nenhum mal. Não se pode fazer o mal em nome do bem! Não se autoriza ao Estado e nem à sociedade, o direito a desrespeitar e torturar ninguém, em razão de nenhum motivo.

Sabendo que um governo se compõe de forças distintas e de perspectivas diversas, articuladas a setores e interesses sociais múltiplos, alguns mais próximos e comprometidos com valores republicanos, e outros com perspectivas mais restritas e a valores morais e religiosos, identificados na Casa Civil, conclamamos a Chefe da Nação a defender a cidadania de todos e a democracia brasileira, preservando suas conquistas, de modo especial, o Sistema Único de Saúde e suas políticas.

Nossa posição não é sustentada em interesses particulares nem em preferências. É coerente com a ampla mobilização social em todo o país que resultou na IV Conferência Nacional de Saúde Mental -Intersetorial, fórum que foi claro e decidido neste ponto: comunidades terapêuticas não cabem no SUS, como também não cabem internações compulsórias. O tratamento dos usuários de álcool e outras drogas, incluído neste conjunto o crack, deve seguir os princípios do SUS e da Reforma Psiquiátrica, sendo também este o caminho a ser trilhado pelo financiamento: a ampliação da rede substitutiva.

Senhora Presidenta, o Brasil precisa de mais CAPS-ad, necessita que os mesmos tenham condições que os permitam funcionar vinte e quatro horas, carece de leitos em hospital geral, de casas de acolhimento transitório, consultórios de rua, equipes de saúde mental na atenção básica, de estratégias de redução de danos e de políticas públicas intersetoriais. Este deve ser o endereço dos recursos públicos!

  Por uma Sociedade Sem Manicômios!! Por um Tratamento Sem Segregação!! Pelo Fortalecimento do Sistema Único de Saúde e da Reforma Psiquiátrica!!

  III Encontro Nacional da RENILA

Goiânia, 20 de novembro de 2011


Durante a Marcha, a Rede de Saúde Mental e ECOSOL entrega suas propostas para Prof. Paul Singer

06/10/2009

marlene e paul singer

A Rede de Saúde Mental e ECOSOL organizou um ônibus, com o apoio do CRP-SP, levando 44 representantes dos mais de 30 projetos/ empreendimentos de trabalho, para a Marcha dos Usuários, em Brasilia. Durante a Marcha, uma das audiências foi com o Prof. Paul Singer, Secretário Nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho e Emprego.

A Rede participou da audiência com Singer, juntamente com representantes da RENILA, COOPCAPS de Fortaleza, representantes de projetos de trabalho de Belém, Pernambuco, Santa Catarina, Bahia e Minas Gerais.

Durante a audiência o Prof. Paul Singer recebeu o conjunto de propostas organizadas nacionalmente pelos diversos Estados que participaram e construiram suas propostas no eixo da economia solidária. Mostrando sua disposição em apoia-las.

Representando a Rede, Marlene da AASMER de Embú das Artes entregou para Singer um KIT, contendo: camiseta da Rede, Cartões, uma edição da Revista do CRP-SP com a matéria sobre a I Feira de Saúde Mental e ECOSOL, panfleto com as nossas propostas e mais de 2000 assinaturas de apoio as nossas reivindicações. Durante a Audiência, Marlene, afirmou: Direito ao Trabalho, é um Direito de Todos e Todas as Brasileiras (os)! caravana Rede na Marcha

As propostas da Rede apresentadas na audiência com o  Prof. Paul Singer:

  1. Aprovação de uma Nova Legislação de Cooperativismo Social;
  2. Apoio a organização de Feiras de Saúde Mental e Economia Solidária (no âmbito do Programa Nacional de Comercialização Solidária IMS/SENAES/MTE);
  3. Apoio e Fomento a atividades de formação em empreendedorismo, comércio justo e solidário e cooperativismo social, em parceria com as Universidades, tendo como público não só técnicos, mas também usuários da Rede de Saúde Mental;
  4. Inclusão no Programa Brasil Local (SENAES/MTE), de agentes de desenvolvimento local, que possam acompanhar e fomentar os projetos de trabalho (empreendimentos) da saúde mental;

Veja as Fotos da participação da Rede de Saúde Mental e ECOSOL na Marcha dos Usuários, em Brasília.

Veja também: 4. Conferência Nacional de Saúde Mental uma vitória da Marcha dos Usuários


Marcha em Brasilia: Em defesa do SUS e da Reforma Psiquiatrica

26/08/2009

No dia 30 de setembro, os usuários, familiares, técnicos e diversos movimentos sociais irão a Brasília, reafirmar e fortalecer o Sistema Público e universal de saúde que temos no Brasil, bem como, o modelo de Reforma Psiquiatrica brasileira.

Abaixo segue uma matéria postada na página da Marcha, sobre as principais reivindicações a serem levadas a Brasília.

A Rede de Saúde Mental e ECOSOL irá no dia 04 (reunião da Comissão) e dia 18 de setembro (reunião mensal) discutir as propostas e reivindicações a serem levadas para o Ministério do Trabalho, no que tange a defesa do direito ao trabalho, dos usuários de saúde mental.

Propostas da Marcha

Para entender melhor toda a movimentação e articulação que está sendo preparada para o dia da Marcha, conheça melhor as propostas a seguir:Marcha dos Usuarios
  • Defender o Sistema Único de Saúde (SUS) ressaltando o papel fundamental que o Sistema tem na Reforma Psiquiátrica Antimanicomial, que é oferecer estrutura adequada e melhores condições de atendimento para tratamento de portadores de sofrimento mental.
  • Defender o cumprimento da Lei da Reforma Psiquiátrica (10.216/01)
  • Reivindicar a realização da IV Conferência Nacional de Saúde Mental (9 anos após a III, realizada em 2001), que tem a importância de discutir passos fundamentais para o avanço da Reforma Psiquiátrica Antimanicomial, além de estabelecer novos marcos para profissionais da área e portadores de transtornos mentais, que estão cada dia mais atuantes socialmente. 
  • Exigir a efetiva implantação do “Programa de Volta para Casa”, criado pelo Ministério da Saúde em 2003 com o objetivo de reintegrar socialmente pessoas com transtornos mentais que passaram por longas internações. O programa dispõe também de um auxílio financeiro para o beneficiário ou seu representante legal.

Organização Marcha: Informações e Demandas

11/08/2009

Marcha dos UsuariosNotícias e demandas da Marcha

A equipe de Brasília vem trabalhando a todo vapor e a Marcha vem tomando forma, cores, cheiros e tudo mais. Alguns passos já foram dados em relação a infraestrutura, espaço para exposição de obras de arte e articulação política com possibilidade de ser realizada uma audiência pública no Senado.

Entre as demandas, solicitamos:

  • Endereço completo dos Núcleos, associações e outros locais estratégicos para divulgação
  • Comissões dos Estados para audiências: cada Estado deve enviar 3 representantes dos usuários para formação de Comissões
  • Programa Cultural: quais serão as atrações da marcha? O que será necessário para infraestrutura?
  • A Marcha terá que tamanho? Podemos totalizar para repassar para organizadores?
  • Registro e divulgação da organização da Marcha nos estados.

Para todas as demandas, entrar em contato no e-mail da Marcha: marchadosusuarios@gmail.com

http://marchadosusuarios.blogspot.com